Tecnologia

Wayve, uma startup de IA para direção autônoma, levanta US$ 1 bilhão

A Wayve, fabricante londrina de sistemas de inteligência artificial para veículos autônomos, disse na terça-feira que levantou US$ 1 bilhão, uma quantia impressionante para uma start-up europeia e uma ilustração do otimismo dos investidores sobre a capacidade da IA ​​de remodelar indústrias.

O SoftBank, o conglomerado japonês que apoiou o Uber e outras empresas de tecnologia, foi o principal investidor, junto com a Microsoft e a Nvidia. Os investidores anteriores na Wayve incluem Yann LeCun, cientista-chefe de IA da Meta.

A Wayve, que já havia captado cerca de US$ 300 milhões, não divulgou sua avaliação após o investimento.

A Wayve foi cofundada em 2017 por Alex Kendall, um estudante de doutorado da Universidade de Cambridge com foco em visão computacional e robótica. Ao contrário dos modelos generativos de IA, que criam textos e imagens semelhantes aos humanos e estão a ser desenvolvidos pela OpenAI, Google e Anthropic, os chamados sistemas de IA incorporados feitos pela Wayve servem como cérebros para objectos físicos, sejam eles carros, robôs ou sistemas de produção. A IA permite que uma máquina tome decisões por conta própria em tempo real.

“O pleno potencial da IA ​​ocorre quando temos máquinas no mundo físico em que podemos confiar”, disse Kendall.

As empresas focadas na condução autônoma estão enfrentando um período difícil. A tecnologia é cara e difícil de construir e enfrenta intenso escrutínio regulatório. A Cruise, subsidiária autônoma da General Motors, retirou das estradas seus carros sem motorista no ano passado em meio a preocupações legais e de segurança. A Apple abandonou recentemente seus esforços de carros autônomos após anos de desenvolvimento.

A Wayve, que tem cerca de 300 funcionários, testa sua tecnologia nas estradas britânicas desde 2018 e em breve expandirá para outros lugares. O software aproveita câmeras, sensores e outras tecnologias automotivas modernas para ver e reagir a diferentes ambientes de direção. Os dados coletados enquanto o carro navega por uma cidade são realimentados no sistema de IA para ajudar os carros a aprender.

A abordagem difere de outros desenvolvedores de veículos autônomos, como Waymo, de propriedade da Alphabet, controladora do Google. Wayve disse que sua tecnologia não depende tanto de mapas de alta definição ou sensores lidar, uma ferramenta a laser usada para medir distâncias e detectar objetos. Tesla usou uma abordagem semelhante à Wayve nos últimos anos.

A Wayve vem desenvolvendo um software para explicar em inglês simples por que um carro tomou uma determinada decisão de direção – como por que parou repentinamente ou desacelerou – uma camada de transparência para ajudar a conquistar os reguladores.

O montante levantado pela Wayve está entre os maiores investimentos recentes em start-ups na Europa, que historicamente ficou atrás dos Estados Unidos em capital de risco e financiamento de tecnologia. Em dezembro, a Mistral, uma desenvolvedora francesa de IA, levantou 385 milhões de euros, ou cerca de US$ 415 milhões.

“Estou extremamente orgulhoso de que o Reino Unido seja o lar de pioneiros como Wayve, que estão inovando ao desenvolver a próxima geração de modelos de IA para carros autônomos”, disse o primeiro-ministro Rishi Sunak, da Grã-Bretanha, em um comunicado.

Kendall, que é da Nova Zelândia, disse que o investimento do SoftBank e de outros permitiria à empresa transformar sua pesquisa em um produto totalmente comercial. Ele disse que a Wayve estava negociando com vários grandes fabricantes de automóveis para disponibilizar seu software em carros para compra, mas se recusou a nomeá-los.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button