Notícias

Exército israelense ordena mais evacuações de Rafah à medida que expande o ataque a Gaza

Os militares israelitas ordenaram que os residentes em mais áreas do leste e centro de Rafah evacuassem, à medida que expandem a sua ofensiva no canto mais meridional da Faixa de Gaza, deslocando novamente dezenas de milhares de palestinianos.

Estima-se que 150 mil palestinos, muitos deles deslocados diversas vezes, já fugiram de Rafah, informou neste sábado a Agência das Nações Unidas de Assistência e Obras para os Refugiados Palestinos no Oriente Próximo (UNRWA). Israel estimou esse número em cerca de 300 mil.

Reportando de Deir el-Balah, no centro de Gaza, Tareq Abu Azzoum da Al Jazeera disse: “As autoridades israelenses lançaram panfletos e fizeram ligações pedindo mais ordens de evacuação. Eles agora estão ordenando que as pessoas fujam das áreas centrais de Rafah, não apenas das partes orientais, onde as batalhas estão acontecendo agora.”

No início do sábado, foram emitidas ordens de evacuação para Shaboura e para as proximidades do Hospital Especializado do Kuwait, disse Abu Azzoum, acrescentando que “as pessoas são instruídas a fugir porque estas áreas se tornarão no futuro uma zona de operação militar para o exército israelense. A situação é completamente terrível”.

Saheb al-Hams, diretor de um hospital em Rafah, confirmou que a ordem de evacuação ampliada incluía o Hospital do Kuwait na cidade de Rafah, onde inúmeros pacientes e feridos estão sendo tratados.

“Não há outro lugar para onde os pacientes e feridos possam ir, a não ser este hospital”, disse al-Hams numa mensagem de vídeo obtida pela Al Jazeera, enquanto pedia “proteção internacional imediata” para a instalação.

No início do sábado, o exército israelita disse num comunicado que “aproximadamente 300.000 habitantes de Gaza” se mudaram da parte oriental de Rafah para al-Mawasi desde que a ordem foi emitida na segunda-feira.

Israel afirma que al-Mawasi, na costa ocidental de Gaza, é uma “zona humanitária segura”. Mas grupos humanitários e palestinianos deslocados dizem que dezenas de milhares de pessoas estão amontoadas na área e enfrentam grave escassez de alimentos e água, bem como bombardeamentos periódicos.

INTERATIVO Passagem de fronteira de Gaza Rafah fechou tanques israelenses-1715153393
(Al Jazeera)

“Eles nos disseram que essas áreas não estão ameaçadas e são seguras. Mas descobriu-se que esta área é perigosa”, disse à Al Jazeera Ahmad Abu Nahil, um residente deslocado de Gaza, enquanto a sua família fugia de Rafah.

Raed al-Fayomi, outro residente deslocado, também descreveu a situação como muito perigosa.

“Não conseguíamos dormir à noite por causa dos bombardeios de artilharia e dos foguetes. A condição é muito difícil e a comida é escassa.”

Georgios Petropoulos, funcionário do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) em Rafah, disse à agência de notícias Associated Press que os trabalhadores humanitários não tinham suprimentos para ajudá-los a se estabelecer em novos locais e acomodar as dezenas de milhares de novas pessoas. de Rafa.

“Simplesmente não temos tendas, não temos cobertores, nem roupas de cama, nenhum dos itens que se esperaria que uma população em movimento pudesse obter do sistema humanitário”, disse ele.

O exército israelita alegou que o que chamou de “evacuação temporária” estava a ser comunicada às pessoas através de folhetos, mensagens de texto móveis, chamadas telefónicas e transmissões em árabe. Mas não está claro quantas pessoas receberam o pedido.

Os militares ordenaram inicialmente a evacuação do leste de Rafah na segunda-feira, quando assumiram o controle da passagem com a fronteira egípcia antes do seu ameaçado ataque terrestre à cidade, onde cerca de 1,4 milhão de deslocados estavam abrigados.

Tanques israelenses capturaram a estrada principal que divide as seções leste e oeste de Rafah na sexta-feira, cercando efetivamente o lado leste da cidade.

O Ministério da Saúde de Gaza disse no sábado que pelo menos 34.971 pessoas foram mortas e 78.641 feridas em ataques israelenses em Gaza desde 7 de outubro. O número revisado de mortos em Israel nos ataques do Hamas em 7 de outubro é de 1.139, com dezenas de pessoas ainda mantidas em cativeiro.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button