Saúde

Verdade ou TV: a 'cura' do Parkinson em Grey's Anatomy é real?

Não é incomum que a TV acelere a inovação médica. Veja a atual temporada de Anatomia de Grey, que apresentava um grande enredo sobre uma “cura” para a doença de Parkinson. A série dramática acompanhou uma equipe de pesquisadores e médicos enquanto eles usavam um procedimento cirúrgico inovador usando células-tronco derivadas da pele.

Na vida real, apesar de décadas de investigação e de enormes ganhos no conhecimento técnico em torno das terapias com células estaminais para a doença de Parkinson, esses tratamentos permanecem fora do alcance da maioria das pessoas com a doença. O Parkinson é um distúrbio cerebral que piora com o tempo e causa a morte de certas células nervosas que normalmente produzem dopamina, que ajuda a coordenar o movimento muscular. O tratamento cirúrgico mais comumente utilizado para Parkinson é estimulação cerebral profundaque fornece pulsos elétricos a áreas do cérebro que afetam os sintomas motores, como tremores e rigidez.

Ainda assim, dados os riscos desta doença neurológica crónica progressiva que enfrenta cerca de 1 milhão Americanos, vale a pena desvendar o quão rebuscada é a representação de Hollywood – ou não.

No programa, os médicos retiram células-tronco de uma biópsia de pele de um personagem com doença de Parkinson e, “por meio de um processo complexo”, transformam essas células em células produtoras de dopamina. Pessoas com Parkinson geralmente apresentam baixos níveis de dopamina no putâmen, uma parte do cérebro envolvida no movimento. Ao injetar novas células produtoras de dopamina no prosencéfalo do personagem, onde se encontra o putâmen, os médicos pretendem aumentar os níveis de dopamina.

O procedimento começa com uma tomografia computadorizada, que fornece à equipe cirúrgica imagens do que é descrito como “um roteiro 3D interativo” do cérebro do personagem. Depois de mais alguns passos rápidos – incluindo a perfuração de orifícios para evitar o aumento de pressão no cérebro – um braço robótico coloca uma agulha oca no lugar. Um pesquisador então remove as células-tronco de um refrigerador e as examina ao microscópio para confirmar se há células vivas suficientes. Por fim, as células são injetadas no prosencéfalo do personagem, começando por um lado e depois passando para o outro.

Muito do que é retratado no programa é realista – embora simplificado e futurista – de acordo com Willard Kasoff, MD, professor associado de neurocirurgia na Escola de Medicina Lewis Katz da Temple University e diretor de neurocirurgia estereotáxica e funcional do Temple University Hospital.

“Não é ficção científica, mas é um programa futuro”, diz ele.

Houve várias inovações interessantes em células-tronco direcionadas ao Parkinson nos últimos anos que, superficialmente, lembram Anatomia de Grey'cura' televisionada.

Em 2017 e 2018, por exemplo, os médicos reprogramado células da pele retiradas de uma pessoa com Parkinson para criar “neurônios de dopamina de reposição”, que foram implantados no cérebro da pessoa. Mais recentemente, um ensaio clínico envolveu a injeção de células-tronco no cérebro de pessoas com Parkinson, a fim de restaurar seus níveis de dopamina, completo com uma varredura cerebral semelhante a um GPS mostrando aos neurocirurgiões onde injetar as células. Por vir testes clínicos também usará células da pele de pacientes com Parkinson para produzir neurônios de dopamina de reposição para transplante.

Mas tais tratamentos não estarão necessariamente amplamente disponíveis tão cedo, de acordo com Kasoff. “O transplante de células é incrivelmente difícil e complicado”, diz ele. “Tem sido trabalhado há décadas e ainda são testes de pesquisa iniciais. Portanto, mesmo esse tipo de terapia provavelmente estará a anos e anos de distância.”

Algumas das terapias dependem da engenharia genética para converter células-tronco em células progenitoras neurais, que pode se transformar em vários tipos de células encontradas no cérebro – um processo conhecido como diferenciação. Os neurocirurgiões também podem direcionar como as células progenitoras neurais mudam, guiando-as para se tornarem neurônios dopaminérgicos. A esperança é que, uma vez transplantadas para o cérebro, essas células “descubram o que fazer ou sejam informadas pelas células vizinhas sobre o que fazer”, diz Kasoff.

Mesmo que os testes sejam bem sucedidos, podem não representar uma cura. Como os tratamentos são direcionados ao putâmen e à substância negra (uma área onde a perda de neurônios pode afetar os níveis de dopamina), eles abordam apenas os sintomas motores. A doença de Parkinson também afeta as habilidades de pensamento, o equilíbrio e outras funções do corpo. O declínio cognitivo pode levar à demência e à morte.

“A ideia de que é possível curar o Parkinson colocando células na substância negra ou no putâmen provavelmente não é verdade”, diz Kasoff.

Além disso, o Parkinson é frequentemente considerado uma doença de um tipo de célula: as células dopaminérgicas da substância negra. Mas, na realidade, explica Kasoff, é provavelmente uma doença com “milhares de tipos de células”, o que torna extremamente complexa qualquer cura potencial derivada de células-tronco. O diabetes tipo 1, por outro lado, é uma doença de apenas um tipo de célula, e novos tratamentos usar células produtoras de insulina derivadas de células-tronco pode significar uma cura.

Quanto ao Parkinson, diz Kasoff, “pode ser que o próximo ensaio com células-tronco tire a sorte grande e então passaremos para a próxima etapa”. Isso poderia significar descobrir onde transplantar células-tronco para os sintomas cognitivos e relacionados ao equilíbrio da doença, por exemplo.

Em última análise, diz ele, “a esperança é que o que aconteça no programa seja exatamente o que acontecerá em algum momento no futuro”.

Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button